quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Nada Pela Metade (ou Declaração dos Direitos Amorosos)

Nada Pela Metade (ou Declaração dos Direitos Amorosos!)

Sempre me oferecestes metade.

Talvez porque para você era todo,
ou porque não querias, 
ou por medo,
acomodação.

Antes eu me contentava com metade.
Agora, não quero metades.
Quero todos,
nada pela metade.
Eu mereço, todo. 
Eu mereço mais.

Agora mais do que nunca, 

quero também quem me ofereça todo, tudo,
sem medo, 
sem restrições, 
sem covardia.

Quero alguém que queira meu tudo, 
meu todo, 
pra que eu também possa 
oferecer tudo, todo.

Alguém que não se importe se eu sou romântica,
ou demonstre meu amor,
e que por conta disso
não se acomode e 
me ame menos, 
e sim me ame cada vez mais. 

Quero alguém que saiba que sou intensa 

e que busco intensidade no que sinto, 
no que sou. 

Quero alguém disposto, 
a ser meu, quero ser sua. 

E que estar comigo, 
não signifique prisão, 
mas liberdade 
pra ter outras opções 
e mesmo assim optar por mim. 

Quero alguém que mesmo que case comigo,
sinta-se livre pra ser feliz, 
e não amarrado 
ou infeliz pela sua condição de amante.

Quero alguém, 

que não cultive metades, 
que plante sementes inteiras, 
plenas, repletas, 
que floresçam TODOS, intensos. 

Quero alguém que 
queira comigo as mesmas coisas, 
não porque eu quero, 
mas porque sonha
com a mesma intensidade que eu.

Quero alguém, 

que se desfaça de seus egoísmos. 
Que não tenha medo de se doar.
e que sinta saudades de mim, 
mesmo estando a meu lado.

Quero alguém que brilhe comigo, 

que seja feliz comigo, 
que se ame 
e me ame.

Quero alguém.

E se isso for pedir demais, 
que EU me baste.

Jesuana Prado
 



sábado, 3 de novembro de 2012

QUIÇÁ...



QUIÇÁ...







Um dia

nada mais 

será lembrado 

com o peso da mágoa...



nada mais vai doer...



serão novas dores...



novos amores quiçá...




Vidamortevida



Vidamortevida




Vivo

 inventando

 pessoas

 que

 nunca

 existiram
de fato... 

só em mim.


então...

 posso

 deixar

 que
 existam... 

vivas...

 ou 

mortas...

 só em mim.








terça-feira, 30 de outubro de 2012

SETEMBRO...


SETEMBRO...


... e tu mesmo assim...

Teimas
em
se
fazer
presente...



em
minha noite...em MIM...
...
com sua
suave 
companhia... MINHA atroz MELANCOLIA...

cheirando a flor...
a SETEMBRO...




domingo, 28 de outubro de 2012

"Sobra tanta falta"

"Sobra tanta falta"



SINTO FALTA DE SEU OMBRO

aconchegante-amigo,

DO SEU SORRISO

levemente-lindo,

DE SUA PEGADA

fortemente-marcante.

SINTO FALTA DE

Eu-tu-nós.





https://fbcdn-sphotos-d-a.akamaihd.net/hphotos-ak-ash3/39312_466832673356074_658241799_n.jpg

eumulherselvagem



eumulherselvagem



A Mulher selvagem que há em mim, ressurge.

Não se submete a domesticação 

de uma sociedade patriarcal.

Ela ressurge

das profundezas do inconsciente

para mostrar quem eu sou.

PULSA!



Volta e outra


eu dou um chute


na bunda da minha vida

e digo:


Acorda desse estado de inércia.

Fazes o que sabes de melhor:


PULSA!




PULSA!

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Demais





Meu Olhar. Olhar.

Este que revela a Alma,

que brilha e ofusca-se.

Este, esta cansado.

Viu demais ou demais o que não queria.

O que achou que não se conceberia.

Viu demais injustiças, clamor, sofrimentos.

Juntou-se, Aliou-se 

ao nó na garganta

e transbordou-se. 

Viu demais.




Eu te permito...



Eu te permito...

Querer-te nesse momento
Não faz sentido,
Porém amor, desejo-o.
Algo que nem sei o que é,
Que Nem mensuro,
Que Parece fraco, mas existe,
Deseja-te ainda.

Em vão sei que é,
Porém não me importa
Este vão sentir,
Deixo-o abrigado em mim.

Às vezes tranquilo,
Ou vez por outra tempestuoso.
Às vezes desejo-o inexistente,
Outras simplesmente
Deixo-o livre.

Na verdade, sei de tudo,
Mas é insano meu desejo,
É egoísta,
É cômodo,
É acomodado.

E por tudo isso
Bem irracional,
Bem emocional,
Bem impulsional.

É amor eu te permito
Ainda morar em mim,
Mesmo que minimamente,
Mesmo que às vezes de ti eu nem lembre a existência.

Mas ainda, ainda há algo,
O que é não sei,
Mas há.
 
17/07/2012
Pampulha, Belo Horizonte-MG.

terça-feira, 19 de junho de 2012

Van Gogh

Van Gogh


Grandes coisas não se fazem por impulso, mas pela junção de uma série de pequenas coisas.

 Van Gogh

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Sweet Jardim

Sweet Jardim

Tiê

 

O Jardim em Arles, Vincent Van Gogh, 1888


Plantei num jardim um sonho bom,
Mostrei meus espinhos pra você.
Faz que desamarra o peso das botas e fica feliz.
Abre o guarda chuva que hoje o sol desistiu de sair.
Esse perfume de alecrim
Trouxe de volta um sonho bom.
Posso até olhar pela janela
E recitar "une petit chanson"
Cantei pra você meus velhos tons,
Perdi seu ouvido pro jornal.
Eu trago a dança que me inspirou o café sem açúcar e tal
Analise o fundo da xícara, a esperança é igual.
Eu confesso só me resta a vida inteira.
Só me resta vida em mi maior e lá.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Porque nós?

Porque nós?
Marcelo Jeneci


Sempre tem gente pra chamar de nós
Sejam milhares, centenas ou dois.
Ficam no tempo os torneios da voz
Não foi só ontem, é hoje e depois
São momentos lá dentro de nós
São outros ventos que vêm do pulmão
E ganham cores na altura da voz
E os que viverem verão.






Fomos serenos num mundo veloz
Nunca entendemos então por que nós
Só mais ou menos

Esperanças


Esperanças





Eu ainda tenho Esperanças
Quando desejo você comigo,
E quando te tenho comigo e
Não quero que vás embora.


Eu ainda tenho Esperanças
Quando meu coração salta
Quando te encontro inesperadamente.


Eu ainda tenho Esperanças
Mesmo que eu não saiba o que fazer com ela.
Vem logo, que eu posso perdê-la.



Oração para quem Luta.







Oração para quem LUTA!



Agradecida Senhora e Senhor da Vida,

por este maravilhoso dia,
por tornar-me diferente,
sensível, embora isso me custe caro muitas vezes.
Agradecida  por me apresentar a Luta,
pois dela brota todos os meus sonhos
e os também coletivos que me inquietam.
Agradecida  por tod@s que beberam da água em que
não se mata a sede,
mas que suscita por justiça e só assim se sacia.
Agradecida  por tudo que em mim
se faz POESIA e SONHO,
mas também por tudo
que com muito suor
se faz realidade.
Acolhe em seus colos fraternos
todas e todos que foram abatidos,
nina-os em seus braços calorosos
e conforta-os na certeza de que
para quem luta
a vida se faz em Plenitude.

Para  Maria do Espírito Santo e José Claúdio .

Seguir...


Seguir...









Me sinto só


E o que pode ser mais apavorante do que isso?

Nada.

Sem chão, sem norte,
Vida, que vida?

Resto do que um dia existiu,
Vazio,Breu,
abismo enlouquecedor,
Sem ao menos a sensação de estar caindo.

Fim,
É o fim.

Mais um episódio tristemente se despede de minha vida
E eu espectadora de mim.

Minha vida acena,
Não me diz adeus,
Mas por um instante
Já não é minha
É de quem nem sei,
Nem sabe.




Minha vida
Se despe
Pra ninguém,
Se retrai,
Se curva
Pra maldita rotina
Pra o cotidiano Rotineiro, rotinado.

E  o que fazer?
Dá bom dia pra cada dia,
Fingir estar bem,
Fingir.

Quem sabe seguir sem destino
Já que este não me pertence,
Nem precisa.

Seguir...
Seguir...
Se deixar levar pelas circunstancias,
Pelas distancias
De vidas que um dia estiveram unidas
Por algum ideal
Ou sem saber porque
Por quem.

Seguir...
Pra ver onde chego enfim
Ou não chegar nunca
Também podes ser uma alternativa
Pra quem não sabe onde quer ir.

Seguir...

Simplesmente
Seguir...

Maio de 2012

sábado, 26 de maio de 2012

sobre os cansaços da vida e da sobrevida



sobre os cansaços da vida e da sobrevida




sobre os cansaços da vida
             e da sobrevida


Estou cansada...
de falar sobre coisas sérias... 
... respostas prontas,
posições e crenças inrefutáveis.
...de convicções
de achar que estou certa/errada
de ter peso na consciência
de ser correta, coerente, cristã, mulher...




Estou cansada
de ausências de meios-termos
de ausências de simplicidade...
nas coisas, nas pessoas...

Quero a simplicidade de um caminho...
que de simples modo me chama,
sem questionar-me pra onde vou...
simplesmente seguir...
ir... sem pressa de chegar... devagar... ir.

                  Jesuana Prado
  sobre os cansaços da vida e da sobrevida.